O medo que eu temia

Resultado de imagem para o medo na violência


Ao falar da violência é comum ouvir que “as nossas mães, avós não reclamavam dos maus tratos dos maridos, aliás eram felizes ao levarem porrada” (sic). Ademais “a pessoa só é vítima a partir do momento que é dita que tal ato é criminoso… as mulheres das zonas rurais não têm a conceção sobre a violência doméstica” (sic).

Tendo refletido muito sobre estas palavras, delas pude concluir 2 coisas, a primeira é que precisamos promover mais informação sobre os direitos humanos, sobretudo os direitos da mulher. 

A segunda é que eu comecei a ser cada vez mais vítima a partir do momento em que comecei a pesquisar sobre o assunto da violência, sou vítima porque conheço os meus direitos, mas sou igualmente vítima porque muitos dos “agressores” estão na defensiva, têm medo do impacto que a minha atuação a nível social possa causar.

As estatísticas são alarmantes, Portugal nos diz que 14 mulheres diariamente são vítimas de violência doméstica, Moçambique nos diz que 6 em cada 10 mulheres são vítmas de violência doméstica.
Não seria a casa um lugar de amor, paz, harmonia, proteção, companherismo entreajuda sem a competitividade que se faz sentir quando o indíduo está nos outros meios sociais?

Levamos uma vida que não nos leva a nada
Chamou-me atenção o texto da Lili Loofbourow sobre “the famele price of the male pleasure
 http://theweek.com/articles/749978/female-price-male-pleasure , ao referir que a mulheres estão culturalizadas para estarem desconfortáveis na maioria das vezes e a ignorarem o seu desconforto. Desconforto este causado pelo homem no seio doméstico, “tu podes fazer tudo o que tu quiseres sobre a direitos das mulheres seja em programas televisivos ou em palestras, mas quando abres a porta de casa, isso não funciona, tu tens de ser a minha mulher, e deves fazer tudo o que eu mandar” (sic).
 
Meus caros leitores, tenho de vos dizer que ainda há muito para fazer neste mundo pelos direitos das mulheres. Homens, por favor, ajudem respeitem as mulheres e nos ajudem nesta luta, não continuem a oprimir as vossas companheiras, vossas irmãs. 
Estou desapontada com o comportamento dos homens perante as suas mulheres, falo sobretudo de homens escolarizados, os conhecedores da lei. É triste o que acompanho diariamente.
Estou ciente que existe violência contra o homem nas relações heterossexuais intimas, mas por favor, parem de confundir o feminismo com as agressões de mulheres contra homens, feminismo é a luta pela a igualdade de direitos e deveres.


#AMAVconcelhos

Popular posts from this blog

Fui abusada sexualmente: as noites sangrentas em casa do meu tio

Eu sou HIV-Positivo

Jovem Moçambicana emigra para Europa e fica a pastar cães para sobreviver